Gêiseres: o espetáculo das águas quentes

Por Andressa T. A. Boligian

Publicado em 02/09/2015

Os jatos de água quente jorrados da terra para o céu encantam milhares de pessoas que seguem para os poucos lugares do planeta onde é possível observá-los. Sim, os gêiseres se parecem pequenos vulcões que expelem água e vapor. Entre os maiores e os menores, todos são encantadores.

Os gêiseres podem ser contínuos ou intermitentes e podem variar seu intervalo ao expelir água entre alguns segundos e até alguns dias. O vapor e a própria água jorrada pelas fissuras na superfície vêm do subsolo. Mas para que isso ocorra, é preciso que haja uma fonte de alimentação de água no lençol freático, que, por sua vez, é aquecido pelo contato com as rochas quentes próximas ao magma.

Veja um esquema simplificado:

1. A água (do degelo ou das chuvas) infiltra-se no solo e alimenta o lençol de água.

2. As águas do lençol, por sua vez, são aquecidas pelas rochas (porosas e muito quentes) que se localizam muito próximas ao magma.

3. Com o calor, a água é aquecida continuamente até atingir o ponto de ebulição.

4. Em determinado momento, ao expandir seu volume, a água sobe pelas fissuras das rochas até a superfície.

5. A água fria continua infiltrando pelas rochas, sendo aquecida e alimentando novo ciclo.

A temperatura das águas e do vapor nos gêiseres pode variar, aproximadamente, entre 100º C até 140º C. Lembre-se que o vapor que sai pelo gêiser pode ser muito quente e eles também podem expelir gases.

É comum nas regiões onde ocorrem os gêiseres, a água quente aparecer na superfície sob outras formas, como os caldeirões de água quente borbulhante, as panelas de lama (quando a água quente dissolve os minerais das rochas, formando uma lama muito quente) e, ainda, jatos de vapor contínuos. Em alguns lugares, essas regiões também podem ser chamadas de fontes termais.

No entorno de alguns gêiseres, é possível observar pequenos terraços, formados por camadas de minerais solidificados, como os chamados terraços sílicos ou cálcicos. Em alguns outros gêiseres, é possível vermos também a formação de cones de depósitos de sílica (que recebem o nome genérico de geiserita).

Onde ocorrem?

Os gêiseres ocorrem em áreas onde há atividade vulcânica considerada pelos cientistas como de vulcanismo moderno, ou seja, áreas classificadas como de atividades finais do vulcanismo. Desse modo, é possível encontrar esses graciosos jatos de água quente, por exemplo, nos Estados Unidos, na Islândia, na Nova Zelândia, no Chile e no Japão.

No território estadunidense, por exemplo, na região que faz parte de uma estrutura vulcânica de cerca de 630 mil anos, encontra-se um dos maiores gêiseres do mundo e o mais famoso. É o Old Faithful (Velho Fiel), no Parque Nacional Yellowstone, no oeste do país. Este gêiser proporciona um espetáculo da natureza ao lançar água quente e vapor a mais de 55 metros de altura. Ele é capaz de expelir de 14 mil a 32 mil litros de água fervente com uma frequência de pouco minutos.

Geiser Old Faithful (Velho Fiel), no Parque Nacional Yellowstone (EUA), lança água quente e vapor a mais de 55 metros de altura. Crédito foto: DiscoverAmerica.com

Já em território chileno, na área de El Tatio, que em quechua significa “O velho que chora”, existem por volta de 80 gêiseres, aproximadamente 8% dos gêiseres do mundo. A região está localizada próxima a São Pedro do Atacama - em pleno Deserto do Atacama -, no norte do país, a uma altitude de cerca de 5 mil metros. O espetáculo ocorre especialmente ao nascer do sol, quando o vapor de água muito quente expelido pelos gêiseres entra em contato com o ar gélido de cerca de – 6º C no outono.

Gêiser na região de El Tatio, no Deserto do Atacama (Chile). Foto de Andressa Alves

Gêiser na região de El Tatio, no Deserto do Atacama (Chile). Foto de Andressa Alves

Gêiser na região de El Tatio, no Deserto do Atacama (Chile). Foto de Pablo Schmidlin.

Lhamas, espécies da fauna na região de El Tatio, no Deserto do Atacama (Chile). Foto de Pablo Schmidlin.

Vicunhas, espécies da fauna na região de El Tatio, no Deserto do Atacama (Chile). Foto de Pablo Schmidlin.

Na bela Islândia, por sua vez, os gêiseres mais famosos ficam na área de Geysir, em Haukadalur (sudoeste da ilha). Proporcionam um espetáculo igualmente bonito, com alturas e temperaturas variáveis.

Gêiseres na Islândia. Foto de Jandira Lopes Genez.

Gêiseres na Islândia. Foto de Jandira Lopes Genez.

Gêiseres na Islândia. Foto de Jandira Lopes Genez.

Confira o vídeo impressionante de uma fonte de vapor feito por Andressa Alves:

Fonte de ebulição em Smidur, na área de Geysir em Haukadalur, Islândia (vídeo de Jandira Lopes Genez):

Veja também o vídeo do Jornal da Record com uma matéria sobre os gêiseres do Chile:

Sobre a autora

Mestre em Geografia, arte-educadora e artista plástica, Andressa Tucartel Alves Boligian atua como assessora de escolas da rede pública e particular. Trabalha com a produção e edição de materiais didáticos para o Ensino Básico e é coautora da coleção de Geografia de maior adoção entre as escolas brasileiras na atualidade.

Para saber mais:

CHRISTOPHERSON, Robert W. Geossistemas. Uma introdução à geografia física. Porto Alegre, Bookman, 2012. 

Grande Enciclopédia do Saber. A Terra. National Geographic. Editorial Amereida. Santiago do Chile, 2010.

LEINZ, Viktor; AMARAL, Sérgio Estanislau. Geologia Geral. São Paulo: Editora Nacional, 2003.

TEIXEIRA, Wilson e outros. Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.

Voltar