A história de uma tribo contada por um videogame

“Huni Kuin: os caminhos da jiboia” preserva a memória das tribos Kaxinawá, ou Huni Kuin, do Acre

Por Mie Francine Chiba

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br; defender.org.br; hypeness.com.br

Publicado em 06/12/2016

A fim de preservar a história de um povo indígena do Acre, os Kaxinawá, ou Huni Kuin, como eles mesmos se denominam, o antropólogo da Universidade de São Paulo (Usp), Guilherme Meneses, resolveu usar um recurso bastante moderno - o videogame, e deu origem ao jogo “Huni Kuin: os caminhos da jiboia”.

Trata-se de um jogo de plataforma de 5 fases, sendo que cada fase conta uma antiga história da tribo. Os heróis do game são dois irmãos gêmeos: um caçador e uma artesã que foram concebidos pela jiboia Yube em sonhos. Com poderes especiais, eles devem vencer os obstáculos a fim de se tornarem pajé e mestra dos desenhos.

Toda a produção contou com a ajuda de 45 kaxinawás das 32 aldeias existentes no Acre. O roteiro, os desenhos, as músicas, os efeitos sonoros, tudo foi produzido pelos próprios indígenas, segundo contou Meneses em entrevista à Agência Brasil.

No decorrer do jogo, é possível ouvir a narração das histórias na voz dos próprios pajés na sua língua nativa – o hatxã kuin -, e ver desenhos feitos pelos índios das tribos. O jogo está disponível em quatro línguas: português, inglês, espanhol e, claro, o hatxã kuin.

Segundo o site oficial, a proposta do jogo é “propiciar uma imersão no universo Huni Kuin, em que os jogadores possam entrar em contato com saberes indígenas – como os cantos, grafismos, histórias, mitos e rituais deste povo – possibilitando uma circulação destes conhecimentos por uma rede mais ampla”.

Confira o trailer:

Assista ao gameplay:

O jogo pode ser baixado para PC, Mac e Linux. Mais informações e download no site oficial.