Conheça a história da popular pipoca

Você sabia? Fofinha e crocante, pipoca é resultado do aquecimento da água presente no interior do grão de milho; acredita-se que alimento tenha sido descoberto por acidente

Por Mie Francine Chiba

Fonte: UFRGS; Reserva Urbana

Publicado em 25/11/2016

Você já viu como um simples grão de milho se transforma em um petisco fofinho e crocante ao mesmo tempo? Então veja o processo em câmera lenta no vídeo abaixo:

O grão de milho de pipoca contém água em seu interior. Quando essa água evapora com o calor da panela, o grão explode e o amido que estava em seu interior se transforma em um floco branco que conhecemos como pipoca.

Segundo site da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 300 a.C., já foram encontrados no Peru vasos que eram supostamente utilizados para o preparo de pipoca em uma cultura pré-inca. Acredita-se que a pipoca tenha sido descoberta quando alguém deixou, por acidente, uma espiga de milho sobre a chapa em que era preparada a carne de alguma caça, diz documentário do canal Reserva Urbana no YouTube (“A Verdadeira História: Quem Descobriu a Pipoca?”).

Durante a colonização da América, os europeus tiveram o primeiro contato com a pipoca e começaram a consumi-la. Mais de 700 tipos de grão de milho eram cultivados no continente naquela época.

Pipoca de micro-ondas

A pipoca de micro-ondas teria surgido em 1945, quando Percy Spencer descobriu que um grão de pipoca estourava se colocado sob a energia do aparelho.

Pipoca gourmet

E quem diria que, hoje em dia, a receita de um alimento tão simples como a pipoca também poderia se tornar sofisticada e ser vendida sob o rótulo de “pipoca gourmet”? Apreciadores dessa pipoca preparam o popular petisco oferecendo-a com sabores bem diferentes daquele que já conhecemos, com sal ou manteiga ou açúcar. Exemplos são as pipocas sabor leite Ninho e churros. Aprenda algumas receitas com os vídeos abaixo:

Leite Ninho

De churros

Oreo e leite Ninho

Veja também um documentário do canal Reserva Urbana sobre a história da pipoca:

Voltar