Escola libanesa leva educação para crianças refugiadas com deficiência auditiva

O sírio Mohammed, de apenais oito anos de idade, entrou pela primeira vez numa sala de aula não em seu país de origem, mas na nação que o acolheu como refugiado, o Líbano. Nascido com uma deficiência auditiva, o menino vive há três anos nos subúrbios de Beirute, onde frequenta um centro de ensino que presta atendimento especializado para meninos e meninas como ele

Fonte: ONUBR

Publicado em 08/12/2016

O sírio Mohammed, de apenais oito anos de idade, entrou pela primeira vez numa sala de aula não em seu país de origem, mas na nação que o acolheu como refugiado — o Líbano. Nascido com uma deficiência auditiva, o menino vive há três anos nos subúrbios de Beirute, onde frequenta o Instituto Andeweg para Surdos (FAID), centro de ensino preparado para receber crianças como ele.

Oriundo de Idlib, o garoto não conseguia ir à escola na Síria, pois os estabelecimentos não tinham estrutura e professores para atender as necessidades específicas do rapaz. Mohammed ainda precisa de uma cirurgia e de um aparelho auditivo adequado, que seus pais não podem pagar já que lutam para sustentar a família.

Em visita recente à escola do menino, sua mãe Salima contou aos funcionários da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) que ela estava satisfeita pelo fato de uma chance ter sido dada ao filho. “Eu consigo ver claramente o quanto ele progrediu desde que começou a vir aqui. Ele finalmente consegue falar”, comenta. “O Mohammed fez amigos, ele é muito feliz lá.”

Leia mais

Voltar